quinta-feira, 31 de dezembro de 2009


Minha gente boa, está na hora de abrir os olhos sobre quais são as verdadeiras intenções por detrás da imagem de marketing criada para Barack Obama. Este é o discurso que proferiu quando recebeu o Prémio Nobel da Paz. É um discurso criado para justificar a guerra e não uma promessa de paz. O discurso é bastante grande, mas recheado de pérolas de raciocínio deturpado e perverso. Aqui vai:

Suas Magestades, Suas Altezas Reais, distintos membros do Comité Norueguês do Nobel, cidadãos americanos e cidadãos do mundo.


Eu recebo esta honra com profunda gratidão e grande humildade. É um prémio que apela às nossas mais altas aspirações – que perante toda a crueldade e miséria do nosso mundo, não somos apenas prisioneiros da sorte. As nossas acções importam e podem dobrar a História na direcção da justiça.

E, no entanto, eu estaria em falta se não reconhecesse a controvérsia considerável que a vossa generosa decisão gerou. (risos) Em parte, isto acontece porque eu estou no início, e não no fim, dos meus trabalhos ao nível mundial. Em comparação com alguns gigantes da história que receberam este prémio – Schweitzer e King; Marshall e Mandela – as minhas conquistas são pequenas. E depois existem aqueles homens e mulheres, por todo o mundo, que foram presos e batidos na busca da justiça; aqueles que trabalham nas organizações humanitárias para aliviar sofrimento; os milhões desconhecidos cujos actos silenciosos de coragem e compaixão inspiram até os mais cínicos. Não posso argumentar contra os que consideram estes homens e mulheres – alguns conhecidos, alguns completamente desconhecidos de todos, menos dos que ajudaram – muito mais merecedores desta honra que eu.

Mas talvez a questão mais profunda que rodeia a minha aceitação deste prémio é o facto de eu ser o Comandante-Supremo de um exército de uma nação que está envolvida em duas guerras. (dah!!!) Uma dessas guerras está a terminar. A outra é um conflito que a América não procurou (procurou sim), na qual estamos juntos com 42 outros países – incluindo a Noruega – num esforço para nos defendermos a nós e a todas as nações de novos ataques.

Ainda assim, estamos em guerra, e eu sou responsável pela colocação de milhares de jovens americanos em batalha numa terra distante. Alguns matarão e alguns serão mortos. E assim eu venho aqui com um aguçado sentido dos custos de conflitos armados – cheio de questões difíceis acerca da relação entre guerra e paz, e o nosso esforço para repor um para o outro.

Agora estas questões não são novas. A guerra, duma forma ou de outra, apareceu com o primeiro homem. No amanhecer da história, a sua moralidade não era questionado; era simplesmente um facto, como a seca ou a doença – a forma segundo a qual as tribos e depois as civilizações buscavam poder e resolviam as suas diferenças. (Vamos justificar os nossos erros com base no comportamento básico dos homo habilis... Pensei que a evolução era suposto ser positiva)

E, ao longo do tempo, conforme os códigos de lei procuravam controlar a violência dentro dos grupos, os filósofos e clérigos e os homens de Estado tentaram regular o poder destrutivo da guerra. O conceito de “guerra justa” emergiu, sugerindo que a guerra era justificada apenas quando determinadas condições se conjugavam: se é travada como último recurso ou em auto-defesa; se a força utilizada é proporcional; e se, sempre que possível, os civis são poupados da violência. (A guerra nunca é justificada)

Claro que sabemos que, na maior parte da História, este conceito de “guerra justa” raramente foi observado. A capacidade dos seres humanos pensarem novas formas de se matarem uns aos outros provou-se inesgotável, assim como a nossa capacidade de isentar de misericórdia aqueles que se parecessem diferentes ou rezassem a um Deus diferente. Guerras entre exércitos deram lugar a guerras entre nações – guerras totais nas quais a distinção entre combatentes e civis se tornou turva. Num período de 30 anos, tal carnificina inundou este continente por duas vezes. E apesar de ser difícil conceber uma causa mais justa do que a defesa contra o Terceiro Reich e contra os poderes do Eixo, a Segunda Guerra Mundial foi um conflito cujo total de civis mortos excedeu o número de soldados perecidos.




No acordar de tanta destruição e com o advento da era nuclear, tornou-se claro tanto para vitoriosos e vencidos que o mundo precisava de instituições que prevenissem outra Guerra Mundial. E assim, um quarto de século depois do Senado dos Estados Unidos rejeitar a Liga das Nações – uma ideia pela qual Woodrow Wilson recebeu este prémio – a América levou o mundo a construir uma arquitectura que mantivesse a paz: o Plano Marshall e as Nações Unidas, mecanismos para governar os travões da guerra, tratados para proteger os direitos humanos, prevenir genocídios, restringir as armas mais perigosas.

De muitas formas, estes esforços foram bem-sucedidos. Sim, guerras terríveis foram travadas e atrocidades cometidas. Mas não houve nenhuma Terceira Guerra Mundial. (Eu diria que existe uma neste preciso momento) A Guerra Fria acabou com multidões jubilantes desmantelando um Muro. O comércio uniu a maior parte do mundo. Milhões foram retirados da pobreza. Os ideais de liberdade e auto-determinação, igualdade e o Estado de Direito foram hesitantemente avançados. Nós somos os herdeiros da força e prospecção das gerações passadas, e é uma herança da qual o meu próprio país está legitimamente orgulhoso.

E, ainda assim, uma década num novo século, esta velha arquitectura está a aguentar o peso de quatro ameaças. O mundo pode não estremecer mais com a perspectiva de guerra entre duas superpotências nucleares, mas a proliferação pode aumentar o risco de catástrofe. O terrorismo não tem uma táctica, mas a tecnologia moderna permite que alguns homens pequenos com raiva desproporcionada assassinem inocentes a uma escala horrível.

Além disso, as guerras entre nações dão cada vez mais lugar a guerras dentro de nações. O ressurgir de conflitos étnicos ou facciosos; o crescimento de movimentos separatistas, insurgências e estados falhados – todas estas coisas aprisionaram cada vez mais civis num caos interminável. Nas guerras de hoje, são mortos muitos mais civis do que soldados; as sementes de conflitos futuros estão lançadas, as economias estão arruinadas, as sociedades civis estão dilaceradas, os refugiados acumulam-se, as crianças assustadas. (Isto é Teoria da Gestão do Terror! Informem-se.)

Eu não trago uma solução definitiva para o problema da guerra. (Já deu para perceber!) O que eu sei é que o encontro destes desafios vai requerer a mesma visão, trabalho duro e persistência destas mulheres e homens que actuaram tão corajosamente décadas atrás. E irá requerer de nós que pensemos de forma nova nas noções de guerra justa e nos imperativos de uma paz justa.

Nós temos de começar a reconhecer a dura verdade: não vamos erradicar os conflitos violentos no nosso tempo. (Muito menos se não tentarmos e se continuarmos a alimentar conflitos armados) Haverão tempos em que as nações – agindo individualmente ou em conjunto – verão o uso da força não só como necessário, como moralmente justificado. (Isto é um insulto à vida de Martin Luther King Jr. e do Gandhi!)

Eu faço esta afirmação não esquecendo o que Martin Luther King Jr. disse nesta mesma cerimónia anos atrás: “A violência nunca traz paz permanente. Não resolve nenhum problema social: apenas cria novos e mais complicados.” Como alguém que aqui está, como consequência directa do trabalho de vida do Dr. King, eu sou um testemunho vivo da força moral da não-violência. Sei que não há nada de fraco – nada de passivo – nada de inocente – na crença e vidas de Gandhi e King. (Pois não!)

Mas como chefe de estado que jurou proteger e defender a minha nação, não posso guiar-me por estes exemplos apenas. (E, por isso, é que não mereces o prémio que acabaste de receber e devias tê-lo declinado.) Eu olho o mundo como ele é e não posso manter-me inactivo face a ameaças ao povo americano. Não se enganem: o Mal existe no mundo. O movimento de não-violência não poderia ter travado os exércitos de Hitler... as negociações não convenceriam os lideras da Al Qaeda a pousarem as suas armas. (O movimento não-violento de Gandhi, King e muitos outros não salvou ninguém?... Please!) Dizer que a violência pode ser necessária por vezes não é ser cínico – é o reconhecimento da historia; das imperfeições do homem e dos limites da razão.
Eu levanto esta questão, eu começo com esta questão porque em muitos países há uma profunda ambivalência acerca da acção militar hoje, não importa a causa. E, às vezes, a esta junta-se uma suspeita reflexiva na América, a única superpotência militar do mundo.

Mas o mundo tem de lembrar-se que não foram simplesmente as instituições internacionais – apenas tratados e declarações – que trouxeram estabilidade posteriormente à Segunda Guerra Mundial. Qualquer que tenham sido os erros que cometemos, a verdade é esta: os Estados Unidos da América ajudaram a garantir a segurança global por mais de seis décadas com o sangue dos nossos cidadãos e a força das nossas armas(Os EUA ganharam muito com todos os conflitos armados que alimentaram e continuam a alimentar) O serviço e o sacrifício dos nossos homens e mulheres de uniforme têm promovido a paz e a prosperidade da Alemanha e da Coreia, e permitiu que a democracia tomasse lugar em sítios como os Balcãs. Nós carregámos esse fardo não porque quiséssemos impor a nossa vontade. Nós temos feito isso tão desisteressadamente (O comentário a esta anedota está feito acima) – porque buscamos um futuro melhor para os nossos filhos e netos, e acreditamos que as vidas deles serão melhores se os filhos e netos de outros poderem viver em liberdade e prosperidade.

Por isso, sim, os instrumentos da guerra têm desempenhado um papel na preservação da paz. (Paradoxo - declaração aparentemente verdadeira que leva a uma contradição lógica) E, ainda assim, esta verdade coexiste com outra – que não importa o quão justificada, a guerra promete tragédia humana. A coragem e o sacrifício dos soldados é cheia de glória, expressando a devoção para com o país, a causa, os camaradas de armas. Mas a guerra em si mesma não é nunca gloriosa e nós não podemos nunca trombeteá-la como tal.

Por isso, parte deste desafio é reconciliar estas duas aparentemente irreconciliáveis verdades – que a guerra é por vezes necessária e que a guerra, até certo nível, é uma expressão de insensatez humana. Concretamente, temos de direccionar os nossos esforços para a tarefa para a qual o Presidente Kennedy apelou há muito tempo atrás. “Foquemo-nos”, disse ele, “numa paz mais prática, mais alcançável, baseada não numa revolução súbita na natureza humana, mas numa evolução gradual nas instituições humanas”. A evolução gradual das instituições humanas.

Como parecerá esta evolução? Quais serão estes passos práticos?
Para começar, acredito que todas as nações – tanto fortes como fracas – têm de aderir aos padrões que gerem o uso da força. Eu – como chefe de estado – reservo-me ao direito de unilateralmente, se necessário, defender a minha nação. Mesmo assim, eu estou convencido que aderir aos padrões, padrões internacionais, fortalece aqueles que o fizerem e isola e enfraquece os que não o fizerem. (Cuidado, meus amigos. Isto é uma ameaça directa: se não estão connosco, estão contra nós)

O mundo reagrupou-se à volta da América depois dos ataques de 11 de Setembro e continua a apoiar os nossos esforços no Afeganistão, devido ao horror daqueles ataques sem sentido e ao reconhecimento do princípio de auto-defesa. Da mesma forma, o mundo reconheceu a necessidade de confrontar Saddam Hussein quando este invadiu o Kuwait – um consenso que enviou uma mensagem para todos acerca dos custos da agressão. (Mais uma vez, ameaça directa no meio de um discurso que deveria ser acerca daquilo que este senhor deveria ter feito para o merecer o prémio)

Além disso, a América – na verdade, nenhuma nação – pode insistir que outros sigam as regras, se se recusar a segui-las também. Porque quando não as seguimos, as nossas acções parecem arbitrárias e diminuem a legitimidade de intervenções futuras, não importa o quão justificadas sejam. (Exacto, amigo. Quando os EUA decidiram invadir outro país sem razão para isso e sem o aval das Nações Unidas, como tu defendes que deve ser feito, foi exactamente isso que fizeram: perderam toda a legitimidade e perdem-na a cada dia que prolongam ao manterem-se lá. Capisce?)

E isto torna-se particularmente importante quando o objectivo da acção militar se extende para além da auto-defesa ou defesa de uma nação contra o seu agressor. (Lá está!) Mais e mais, somos todos confrontados com questões difíceis acerca de como prevenir a matança de civis pelo seu próprio governo, ou como parar uma guerra civil cuja violência e sofrimento podem submergir uma região inteira.

Eu acredito que é mais custosa uma intervenção tardia. É por isso que todas as nações responsáveis devem aceitar que os militares, com um mandato claro, podem desempenhar para manter a paz. (Têm, coisíssima nenhuma! Eu não aceito e quem for realmente pela paz também não aceita!)

O compromisso da América para com a segurança global nunca vacila. Mas num mundo no qual as ameaças são mais difusas e as missões mais complexas, a América não pode agir sozinha. A América não pode assegurar a paz sozinha. Isto é verdade no Afeganistão. Isto é verdade em estados falhados como a Somália, onde o terrorismo e a pirataria se juntam à fome e ao sofrimento humano. E, infelizmente, continuará a ser verdade em regiões instáveis durante os anos que vêem.

Os líderes e os soldados dos países da NATO e outros amigos e aliados demonstram esta verdade através da capacidade e coragem que mostram no Afeganistão. Mas em muitos países há um desligamento entre os esforços daqueles que servem e a ambivalência do público mais amplo. Eu entendo porque é que a guerra não é popular, mas eu também sei isto: a crença de que a paz é desejável raramente é suficiente para a alcançar. (Mais um insulto à vida e trabalho dos verdadeiros homens de paz) A paz requer responsabilidade. A paz implica sacrifício. É por isso que a NATO continua a ser indispensável. É por isso que temos de fortalecer a ONU e a manutenção da paz regional e não deixar a tarefa para alguns países. É por isso que honramos aqueles que voltam a casa da manutenção da paz e treino no exterior para Oslo e Roma; para Ottawa e Sydney, para Dhaka e Kigali – nós honramo-los, não como “fazedores” de guerra, mas como apostas de paz.

Deixem-me colocar um ponto final acerca do uso da força. Mesmo quando tomamos decisões difíceis sobre ir para a guerra, temos de pensar claramente também acerca do porquê de estarmos a ir. O Comité do Nobel reconheceu esta verdade ao adjucar o seu primeiro prémio a Henry Dunant – o fundador da Cruz Vermelha e uma força conductora por trás das Convenções de Genebra. (O trabalho deste senhor nada tem a ver com o que tu estás a fazer. Não o insultes!)

Onde a força é necessária, nós temos o dever moral e o interesse estratégico em obrigar-nos a certas regras de conduta. (Atenção à mensagem subetendida, mas clara!) E mesmo quando confrontamos um adversário imoral, que não respeita regras nenhumas, eu acredito que os Estados Unidos da América têm de manter-se um portador de padrões na conduta da guerra. Isto é o que nos faz diferentes daqueles com quem lutamos. Isso é a fonte da nossa força. Foi por isso que eu proibi a tortura. (E eu a pensar que a tortura estava proibida desde Genebra!) Foi por isso que eu ordenei que a prisão da Baía de Guantanamo fosse fechada. (Essa prisão continua aberta e a funcionar, graças às tuas ordens! Mentiroso!) E foi por isso que eu reafirmei o compromisso da América de respeitar as Convenções de Genebra. Nós perdemo-nos a nós próprios que comprometemos os vários ideais pelos quais lutamos por defender. E nós honramos – nós honramos esses ideais através da sua defesa, não quando é fácil, mas quando é difícil.

Eu falei até certo ponto da questão que deve ser pesada na nossa mente e nos nossos corações quando decidimos se vamos para a guerra. Mas deixem-me agora voltar os nossos esforços para evitar escolhas tão trágicas e falar de três formas pelas quais podemos construir uma paz justa e duradoura.

Primeiro, ao lidar com tais nações que quebram as regras e leis, eu acredito que temos de desenvolver alternativas à violência que sejam firmes o suficiente para mudar efectivamente o comportamento – porque se queremos uma paz duradoura, então as palavras da comunidade internacional têm de significar alguma coisa. Os regimes que quebram as regras têm ser responsabilizados. As sanções têm de exigir um preço real. A intransigência tem de encontrar cada vez mais pressão – e tal pressão existe apenas quando o mundo se ergue como um. (Mais uma ameaça para quem não está de acordo com a "maioria" do Obama)




Um exemplo urgente é o esforço para prevenir a propagação das armas nucleares e para buscar um mundo sem elas. Em meados do século passado, as nações concordaram em unir-se num tratado cujo retorno é claro: todos terão acesso a poder nuclear pacífico; aqueles que não tiverem armas nucleares vão renunciar a elas; e aqueles com armas nucleares vão trabalhar para as desmantelar. Eu estou comprometido em defender este tratado. (Quando é que as armas nucleares americanas foram desmanteladas? Ah, espera, não foram. Hipócrita!) Esta é a peça-chave da minha política externa. E estou a trabalhar com o Presidente Medvedev para reduzir os stocks nucleares da América e da Rússia. (Mentira!)

Mas compete a todos nós insistir que as nações como o Irão e a Coreia do Norte não joguem com o sistema. Aqueles que afirmam respeitar as leis internacionais não podem evitar olhar quando aquelas leis são desresspeitadas. Aqueles que se preocupam com a sua própria segurança não podem ignorar o perigo de uma corrida às armas no Médio Oriente ou na Ásia Oriental. Aqueles que procuram a paz não podem ficar de braços cruzados quando nações se armam a si próprias para uma guerra nuclear.

O mesmo princípio aplica-se àqueles que violam as leis internacionais ao brutalizarem o seu próprio povo. Quando há um genocídio no Darfur, violações sistemáticas no Congo, repressão na Birmânia – têm de haver consequências. Sim, haverá compromisso: sim, haverá diplomacia – mas têm de acontecer consequências quando estes falham. E quanto mais unidos estivermos, menos propavelmente teremos de enfrentar a escolha entre intervenção armada e cumplicidade na opressão.

Isto traz-me a um segundo ponto – a natureza da paz que buscamos. Porque paz não é meramente a ausência de conflito visível. Apenas uma paz justa baseada nos direitos e dignidade inerente de todos os indivíduos pode ser de facto duradoura.

Foi este discernimento que conduziu os escritores da Declaração Universal dos Direitos Humanos depois da Segunda Guerra Mundial. No acordar da devastação, eles reconheceram que se os direitos humanmos não fossem protegidos, a paz seria uma promessa vazia. (É, não é? É por isso que temos de protegê-los direitinho, como por exemplo, o direito à vida - independentemente da doença de que sofremos ou do mal que fizemos - e o direito à propriedade - independentemente dos projectos que os governos, locais ou centrais, possam ter para aquilo que é nosso. Right?)

E, ainda assim, muitas vezes, estas palavras são ignoradas. (Lá está!) Para alguns países, o falhanço em defender os direitos humanos é desculpado pela falsa sugestão que estes são de alguma forma princípios ocidentais, externos ao desenvolvimento da cultura ou estado locais de uma nação. E dentro da América, existe alguma tensão entre aqueles que se descrevem como realistas ou idealistas – uma tensão que sugere uma escolha fime entre apenas a procura de interesses ou uma campanha sem fim para impor os nossos valores no mundo. (E não é o que se faz quando se desembarca num país que não é o nosso para impor uma "democracia"? Porque a achamos mais correcta? Pois...)

Eu rejeito estas escolhas. Eu acredito que a paz é instável onde os direitos de liberdade de expressão ou de credo são negados aos cidadãos; escolher os seus líderes futuros ou reunir-se sem medo. Reprimir queixas de podridão e a supressão de identidade tribal ou religiosa pode conduzir a violência. Sabemos também que o oposto é verdade. Apenas quando a Europa se tornou livre é que finalmente encontrou paz. A América nunca lutou uma guerra contra a democracia e os nossos amigos mais próximos são governos que protegem os direitos dos seus cidadãos. Não importa quão insensivelmente definidos, nem os interesses da América – nem os do mundo – são alcançados pela negação das aspirações humanas.

Entao, mesmo respeitando a cultura e as tradições únicas de diferentes países, a América será sempre uma voz para as aspirações que são universais. (O problema das aspirações universais é que se sobrepõem, por definição, às aspirações individuais dequem têm de levar com elas.) Nós testemunharemos a dignidade tranquila de reformistas como Aung Sang Suu Kyi; a bravura dos Zimbabweanos que votam enfrentando espancamentos; a marcha silenciosa de centenas de milhares pelas ruas do Irão. É notável que os líderes destes governos temem as aspirações do seu próprio povo mais do que o poder de outra qualquer nação. (Eu explico-te: a acção não-violenta é muito mais poderosa do que a armada. E é isso que ainda não aprendeste e é por isso que não mereces esse prémio) E é responsabilidade de todos os povos e nações livres tornar claro a estes movimentos – estes movimentos de esperança e história – que nos têm do seu lado.

Deixem-me também dizer isto: a promoção dos direitos humanos não pode limitar-se apenas a exortação. Às vezes, tem de ser conjugado com trabalho diplomático. Eu sei que relacionamentos com regimes repressivos não têm a satisfação pura da indignação. Mas eu também sei que essas sanções sem incentivos – condenação sem discussão – pode acarretar apenas um status quo deficiente. Nenhum regime repressivo pode demover um novo caminho a menos que tenha uma porta aberta como escolha. (O teu discurso faz ameaças. Não oferece nenhuma porta que não tenha o conflito armado por trás. Hipócrita e mentiroso!)

Tendo em conta os horrores da Revolução Cultural, o encontro de Nixon com Mao aparentou indesculpável – e, ainda assim, ajudou a colocar a China no caminho através do qual milhões dos seus cidadãos saíram da pobreza e se conectaram com sociedades abertas. (A China é um dos países que despreza todos os dias os direitos humanos dos seus cidadãos, que invadiu territórios que não eram seus e que massacrou e massacra populações inteiras. A China é apoiada por ti, seu hipócrita!) A ligação do Papa João Paulo com a Polónia abriu espaço não apenas para a Igreja Católica, mas também para os líderes trabalhistas como Lech Walesa. Os esforços de Ronald Reagen no controlo das armas e na aceitação da perestroika, não só melhorou as relações com a União Soviética, como empoderou dissidentes por toda a Europa de Leste. Não existe aqui uma fórmula simples. Mas temos de tentar o melhor que conseguirmos balancear isolamento e ligação, pressão e incentivos, para que os direitos e a dignidade humana avancem no tempo.

Terceiro, uma paz justa inclui não apenas direitos civis e políticos – tem de abarcar segurança e oportunidade económica. Porque a verdadeira paz não é só liberdade de medo, mas liberdade de querer.

É incontestavelmente verdade que esse desenvolvimento raramente acontece sem segurança, é também verdade que a segurança não existe onde seres humanos não têm acesso a comida suficiente ou água potável, ou medicina ou abrigo de que necessitam para sobreviver. Não existe onde as crianças não podem aspirar a uma educação decente ou a um trabalho que suporte a sua família. A ausência de esperança pode apodrecer uma sociedade a partir de dentro. (Isto é, de facto, incontestável. Mas não serve é de motivo para impor terror no mundo com teorias de Aquecimentos Globais e Gripes de todas as letras, entre outras coisas que a corja como tu inventa)

E é por isso que ajudar os agricultores a alimentar o seu proprio povo – ou naçoes educarem as suas crianças e cuidarem dos seus doentes – não é mera caridade. É também o porquê do mundo ter de se unir para confrontar a mudança climática. (Já tinha adivinhado isto, certo?) Há pouca disputa científica acerca de, se não fizermos nada, vamos enfrentar mais seca, mais fome, mais deslocamentos em massa (Por acaso, não há concenso acerca disso. Mentiroso!) – tudo o que despoletará mais conflitos por décadas. Por esta razão, não são apenas os cientistas e os activistas ambientais que pedem uma acção rápida e forte – são os líderes militares do meu próprio país e doutros que compreendem que é a nossa segurança comum que está em causa. (Há aqui uma ressalva a fazer. Antes de mais, os activistas ambientais que estão a ser apoiados com esta onda de terror face às alterações climáticas, interpretadas de forma desproporcionada e sem respeito pela perfeição da Natureza, são radicais inconsequentes e sem respeito por ninguém. Depois, este discurso, daqui a algum tempo, vai conduzir a um que legitimará o extermínio de milhões de bebés, com vista a "preservar o futuro dos que já nasceram". O discurso já existe, mas ainda não foi difundido em massa. Consultem as novas ideias da ONU e tomem cuidado.)

Acordos entre naçoes. Instituições fortes. Apoio para os direitos humanos. Investimentos em desenvolvimento. Todos estes são ingredientes vitais para fazer acontecer a evolução de que o Presidente Kennedy falou. E, ainda assim, eu não acredito que temos a vontade, a determinação, o poder de ficar, de completar este trabalho sem algo mais – e isso é a expansão contínua da nossa imaginação moral; uma insistência de que há algo irredutível que todos partilhamos. (O que tu tens de aceitar é que as pessoas não são todas iguais e que não têm de concordar contigo e que a única coisa que podes fazer, quando as pessoas discordam de ti, é resignar-te à tua posição de igualdade perante os outros. Isto é o que tu não consegues fazer e que faz com que tu não mereças esse prémio.)

Enquanto o mundo fica menor, vocês podem pensar que seria mais fácil para os seres humanos reconhecer o quão similares somos; entender que estamos todos basicamente à procura das mesmas coisas; que todos esperamos pela oportunidade de viver a nossa vida com alguma felicidade e satisfação para nós e para as nossas famílias. (Nem todos. Já tinha dito.)

E, no entanto, dado o ritmo vertiginoso na globalização, o nível cultural da modernidade, talvez não seja surpresa que as pessoas temam a perda daquilo que apreciam na sua identidade particular – a sua raça, a sua tribo e, talvez mais poderosa, a sua religião. Em alguns lugares, este medo levou a conflitos. Às vezes, até parece que estamos a andar para trás. Nós vemo-lo no Médio Oriente, no endurecimento do conflito entre Árabes e Judeus. Nós vemo-lo dentro de nações que são atormentados pelas linhas tribais. (Repararam como ele mistura assuntos? Antes de mais, faz todo o sentido que as pessoas queiram preservar a sua individualidade pessoal e cultural, quando pessoas como tu lha querem roubar dissimuladamente. Depois, o conflito Israelo-Árabe foi provocado com o incentivo do teu país e continua a ser alimentado por ele. As tribos sempre deram um jeito de se entenderem sem a tua ajuda. Deixa-as na sua paz.)

E mais perigososamente, nós vemo-lo na forma como a religião é usada como justificação para o assassínio de inocentes por aqueles que têm distorcido e contaminado a grande religião do Islão e por aqueles que têm atacado o meu país a partir do Afeganistão. Estes extremistas não são os primeiros a matar em nome de Deus; a crueldade das Cruzadas é amplamente recordada. Mas eles lembram-nos que nenhuma Guerra Sagrada pode ser alguma vez uma guerra justa. Porque se realmente acreditarem que estão a realizar a vontade divina, então não há necessidade de constrangimento – nenhuma necessidade de poupar as mães grávidas, ou os médicos, ou os trabalhadores da Cruz Vermelha, ou mesmo uma pessoa da própria fé. Tal visão deformada da religião não é apenas incompatível com o conceito de paz, mas eu acredito que é incompatível com todos os propósitos da fé – porque se há regra que está no seio de qualquer grande religião é a de que devemos fazer aos outros o que gostaríamos que nos fizessem a nós. (E, por isso, devemos preservar-nos no caminho da paz e não no da guerra, filho!)

Aderir a esta lei de amor sempre foi a luta nuclear da natureza humana. Porque somos falíveis. Nós cometemos erros e somos vítimas das tentações do orgulho e do poder e, às vezes, do mal. (E tu és a prova viva disso.) Mesmo os que entre nós têm as melhores intenções não vão conseguir corrigir os males antes de nós. (Sem dúvida, uma afirmação digna da tua arrogância. E falsa.)

Mas nós não temos de pensar que a natureza humana é perfeita para acreditamos que a condição humana pode ser, ainda assim, perfeita. Nós não temos de viver num mundo ideal para alcançar os ideais que o tornariam um lugar melhor. A prática da não-violência, realizada por homens como Gandhi e King, pode não ter sido prática ou possível em todas as circunstâncias (Seria se não houvessem homens preversos e pobres de espírito como tu!), mas o amor que eles pregaram – a sua fé fundamental no progresso humano – isso deve continuar a ser a Estrela Polar que nos guia na nossa caminhada.

Porque se perdemos essa fé – se a descartamos como pateta ou inocente; se a separamos das decisões que tomamos em questões de guerra e paz – então perdemos o melhor da humanidade. Perdemos a nossa noção de possibilidade. Perdemos o nosso compasso moral.

Como as gerações antes de nós, nós temos de rejeitar esse futuro. Como o Dr. King disse, nesta ocasião há tantos anos atrás, “Eu recuso-me a aceitar o desespero como a resposta final para a ambiguidade da história. Eu recuso-me a aceitar a ideia de que o 'sentido de ser' da condição presente do homem o fazem moralmente incapaz de alcançar o eterno 'sentido de dever' que para sempre o confronta.” (E é exactamente por causa disso que ninguém, nem mesmo tu, tem o poder de impor as suas ideias a ninguém, nem de espalhar o terror através de invenções megalómanas para que as pessoas só te vejam a ti como fuga aos males que tu próprio inventaste.)

Vamos tentar atingir o mundo que deveria ser – que faísca do divino que ainda se agita dentro de cada uma das nossas almas. (Aplausos) (Frase bonita, mas vazia de sentido. Só os patetas cegos é que não vêem.)

Algures hoje, uma mãe enfrentando uma pobreza castigadora ainda tira tempo para ensinar os seus filhos, junta as poucas moedas que tem para o mandar para a escola – porque ela acredita que o mundo cruel tem um lugar para os sonhos daquela criança. (Não é assim tão admirável, se tiveres em conta que essa é a sua obrigação. Admirável é a tua imbecilidade face à sua atitude natural.)

Vamos tentar viver pelos seus exemplos. Nós podemos reconhecer que a opressão estará sempre connosco e, ainda assim, lutar por justiça. Nós podemos admitir a irrascibilidade da depravação e, ainda assim, lutar pela dignidade. Atenção, nós podemos entender que haverá guerra e, ainda assim, lutar pela paz. (Não. Nós só lutaremos e esperaremos na paz, se acreditarmos que haverá futuro sem guerra e sem homens como tu.) Nós podemos fazer isso – pois essa é a história do progresso humano; essa é a esperança de todo o mundo; e, neste momento de desafio, isso tem de ser o nosso trabalho aqui na Terra. Muito obrigado. (Aplausos)

Eu não adivinho o futuro e, por isso, não sei se este homem (se alterar a sua visão do mundo e o seu método de governação, e se se limitar apenas à governação do seu país, que foi para o que foi votado) não virá a merecer o prémio que já recebeu. O que sei é que ele não o merece, tal como não merece ninguém que pense como ele pensa, que olhe o mundo e não respeite as diferenças de cada um, a liberdade de cada um em viver em opressão. Porque eu discordo da forma como a China é governada, mas ainda assim não concordo que não seja o povo chinês a rebeliar-se contra isso. Apenas o povo chinês tem a legitimidade e a responsabilidade de fazer valer os seus ideais, sejam eles quais forem.

A governação do mundo é um conceito que põe em causa a individualidade pessoal e cultural de cada um de nós, porque é a imposição inerente de conceitos gerais a nações independentes. O governo mundial, que este senhor defende, não pode ser eleito, por constrangimentos lógicos. Por isso, ele e a sua corja defendem que existe uma elite mundial que deve ter acesso a esse governo e ninguém mais. Isto é um atentado à liberdade de cada um!

O bem comum é algo que não existe, porque o bem e o mal são valores que variam de cultura para cultura e não devem ser impostos. Isso é que causará conflitos e repressão. Abram os olhos para o que se passa no vosso mundo, porque daqui a uns anos, quando estivermos num contexto assustadoramente semelhante ao pós-Segunda Guerra Munial, toda a gente se vai emiscuir da responsabilidade do que irá acontecer. Porque este senhor defende a eugenia (que o Hitler também defendeu e aplicou); defende um bem comum que não respeitará a dignidade individual de cada um; defende que faz parte de uma elite que não incluí nem 1% da população mundial, que inclui políticos mal-intencionados e irão defender interesses pessoais. Pessoas como José Eduardo dos Santos, que não têm vergonha nenhuma em fazer de um país mal-tratado o seu quintal e do seu povo os seus serviçais. Pessoas como Hu Jintao, que governam um país com recurso ao desrespeito da liberdade religiosa e de independência de povos tão pacíficos como o Tibetano. Pessoas que não se importam de passar por cima de ti e de mim para conseguirem o que querem, para as quais não somos sequer peões. É preciso começar-se a pensar nisto.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009


Segundo a perspectiva de Paul Bates (1995), entre os 23 e os 35 anos, um jovem adulto deve optar por um companheiro de vida, iniciar uma família, gerir um lar e iniciar uma carreira profissional. Erikson defendeu que aproximadamente entre os 18 e os 35 anos, o indivíduo tem de resolver-se no conflito entre a intimidade e o isolamento. Eu devo dizer que, na minha opinião, this sucks. Já não é mau o suficiente ter de se admitir que não é possível ser plenamente feliz sem se estar numa relação com outra pessoa, ainda temos de procurar alguém que se meta numa cena dessa connosco? Quem é que, no seu juízo perfeito, se mete numa relação com outra pessoa? Ter de descobrir os seus podres e aceitá-los. Ter de lidar com os maus dias e os erros. Não há ninguém neste mundo que o queira efectivamente fazer. Mas é uma necessidade que temos de satisfazer para nos realizarmos.

Quando nos damos conta, estamos a sentir-nos velhos e gastos, ainda nos vinte. Ficamos com aquele olhar vazio, perdido no tempo e nas histórias que fomos acumulando. E, no final, o que retiramos? Qual foi a lição tão fundamental que retirámos de cada romance, de cada vez que partímos o coração, de cada tampa com que levámos ou que demos? É estúpido!

Depois de tantas lágrimas choradas e de tantas peripécias, ficamos imunes. Endurecemos cá dentro. Já nada nos afecta. Simplesmente, resignamo-nos ao que poderá ser a vontade do desconhecido. Não reagimos, não queremos saber. Simplesmente, esperamos. Esperamos pela hora certa, pela pessoa certa, pelo lugar certo, pelo mais certo de entre as demasiadas certezas que vamos tendo.

Não ajuda olhar à volta e ver as pessoas 20 anos mais velhas casadas, felizes e certas. Não ajuda, porque nos começamos a perguntar "Quando raio vou ter a certeza do certo? Quando é que vai ser a minha vez?" Não ajuda, porque é possível ser feliz, é possível ter essa certeza e nós não a temos. Não ajuda, porque nem sequer temos a certeza que, um dia, vamos ter essa certeza! O que nos resta? Esperar? Grrrrrrrrrrrrr

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009



Eu sei que ainda falta algum tempo para o Natal e que este não tem a ver com prendas. Mas no Natal oferecem-se prendas e eu não sou muito boa a receber prendas das quais não gosto. Quem me conhece sabe que eu não gosto de surpresas, por isso aqui vai uma lista daquilo que me atrai hoje em dia. Isto não quer dizer que eu esteja à espera seja do que for, mas pode guiar quem fizer mesmo questão de me dar alguma coisa.


Chocolates - Nunca vai estar fora de moda e sabe sempre bem, mas nada de licores.


Écharpes - Gosto. Gosto de cores e de feitios, mas com moderação e sem esquisitices.


Relógios - Sim, mas nada de exageros. Gosto deles simples e leves.


Bijuteria - É complicado agradar-me. Gosto de brincos grandes e nada de argolas. Não gosto de anéis. É mais fácil acertar com colares.


Roupa - Não aconselho a irem por aí, mas se tem mesmo de ser, eu gosto das coisas simples: cores unicas, tecidos orgânicos e suaves e sem extravagâncias. Não tentem adivinhar as minhas medidas. Se quiserem sabê-las, perguntem-mas.

Livros - É difícil acertar. Mas qualquer tentativa é digna. Afinal estamos a falar de livros...

Bonecada - Não obrigada. Ocupam espaço; já tenho suficiente; mesmo quando me quero ver livre de tudo, não tenho coragem de o fazer.

Música - Não se atrevam a menos que me conheçam bem.

Electrónica - Aceito tudo. :P Mp3, ferros de alisamento (de cabelo), telemóveis, pen's, discos externos, ratos, máquinas fotográficas. Whatever! Eu não deito fora e não desperdiço. hehehehe

Para o Ruivo - Tudo o que oferecerem ao Ruivo é um presente a dobrar para mim. Tenham é atenção ao bom gosto, se faz favor.

Under construction...

terça-feira, 24 de novembro de 2009



A coisinha mais linda que este mundo tem fez um aninho. Sinceramente, parece-me sempre mais tempo. Já deu tanto a sentir, tantos sorrisos, tanta preocupação, tanta felicidade...


Para os mais curiosos, a minha prenda para o miúdo foi um tractor com atrelado. O caraças do boneco é o máximo: tem os animais da quinta, com respectivos sons associados à martelada que ele não se demora a dar-lhes; dá luz e tem buzina; faz imenso barulho e até anda sozinho, o que ele adora, pois farta-se de andar atrás daquilo.


Mas a verdadeira prenda, aquela que de facto é importante e com a qual ele vai poder contar hoje e daqui a muitos anos, são as memórias que construímos juntos. É a minha presença na vida dele. Não que eu pense que sou muito importante ou fundamental, mas porque só Deus sabe as vezes que essa presença esteve em risco. Mas estive lá ontem e vou estar sempre, Ricardo, até quando Deus me deixar. Dar-te-ei tudo o que tiver para dar de bom.


Parabéns meu tesouro!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009



Este blog nunca serviu muito para fazer valer os meus pontos de vista em relação às "actualidades". Porém, a situação de asfixia já me está a incomodar. E é óbvio que não estou a entrar na troca de bocas entre os nossos políticos. Mas podemos começar exactamente por aí.


A nossa pequena república é uma coisinha ridícula. Para começar, estamos em vias de nos ver imposta uma ditadura que, na prática, já existe. Os poderes estão unidos por várias janelas, o que põe em risco a nossa liberdade e ao mesmo tempo abre um sem número de oportunidades para que os nossos políticos se espraiam em actos corruptos. Ora, e é isso mesmo que eles fazem. E a nossa justiça está tão obsoletamente corrumpida que ninguém faz nada para o impedir ou fazer punir. Ou então, mesmo quando se tenta, tudo vale para encobrir ou, à descarada, se safarem os senhores políticos.

Que triste sabermos que o chefe do governo deste pequeno país é um corrupto tão declarado e que, mesmo assim, a população continua a votar nele. Que triste pensar que o povo português está assim tão dimunuído no seu discernimento.
E não é um caso apenas que o implicam como homem sujo. São vários e cada vez mais. E ele continua lá, impune e intocável. E os Portugueses continuam a fazer-lhe vénias e a conceder-lhe poder sobre as suas vidas.


Parte de um governo semelhante, saiu aqui há uns anos um determinado ministro das obras públicas directamente para a presidência duma organização que não passa de uma nuvem de fumo sem sustentação possível. Todos os projectos de obras públicas, grandes ou médios, estão ao seu encargo neste momento e quase nenhum deles é assim tão imprescendível. Pelo contrário. Até podia ser uma empresa defensível, por ser portuguesa, por ser competente, por ser eficiente. Mas não é. É apenas portuguesa e nem o é na totalidade.


O governo nacionaliza bancos e empresas, a torto e a direito, sem dar satisfações a ninguém. O governo sustenta mais de metade do país com o dinheiro roubado a todos aqueles que se matam a trabalhar. O governo legisla e inventa maneiras de nos roubar a democracia e a liberdade. E nós nada fazemos para o impedir. Uns ficam à espera que a oposição, formada por corruptos de igual ou pior calibre aos do governo, aja. Outros nem sequer pensam no porquê da necessidade de agir. São os patetas alegres. E o nosso país tem-nos aos pontapés.

Mas, por favor, vejam isto, para perceberem um bocadinho do que estou a falar.

Como se não bastasse o nosso país ser medíocre, o mundo inteiro está podre. Senão vejamos o caso da gripe A, para referir apenas um dos muitos casos de estupidez mundial. Antes de mais, vejam isto, para perceberem do que estou a falar.

Tendo isto em conta, como podemos nós deixar que nos vacinem ou que vacinem os nossos? Mais, como é que deixamos que a Comunicação Social, os médicos e toda a gente deste país chame fetos a bebés de 8 meses de gestação?!!! O que raio é isto?
Não tenho porque ficar escandalizada, não é? Afinal, na administração Obama existe um determinado senhor cientista que defende o aborto até aos 2 anos! Sim, leram bem: até aos dois anos de idade!!! Que raio de humanos são estes? O melhor é o argumento do senhor: aos dois anos ainda não se tem consciência de si. Desde quando é que isso é motivo para se matar seja quem for?

Mas há pior pela Casa Branca. Muitos deles, incluindo a Sra. Clinton, defendem a eugenia (para quem não sabe o que é ver aqui), tal como foi defendido pelo Nacional Socialista Alemão (para quem não sabe, estou a falar do partido NAZI, que sim, era socialista e não fascista. Fascista era Mussolini). Pois é. Ninguém se informa e depois diz toda a gente que não sabia.

E não é só nos EUA que as coisas estão pretas. Aqui, no Velho Continente (tão velho que nem vê que é escravo do americano) há uma coisa chamada Tratado de Lisboa. Que vergonha que o nome da nossa capital esteja associado a algo tão infame! Esta coisa, que deveria ter sido votada por todos os europeus, não o foi em Portugal, nem na maioria dos países da UE. O último país a assinar esta estupidez será a Repúblia Checa. E porquê? Porque antes de assinarem querem lá ver uma cláusula que garanta que a Carta dos Direitos do Homem está acima deste documento. Não é preciso ser o Einstein para se perceber que o Tratado de Lisboa põe em causa a Carta dos Direitos Humanos mais do que em um artigo. Como é que é possível?!!! A Carta dos Direitos Humanos é o documentos moderno que mais precioso devia ser aos nossos olhos e nós deixámos que o nosso governo assinasse aquela coisa!

Agora vejam isto: o clima económico-político-social no tempo pré-ditadura nazi era mais ou menos o que estamos a viver agora. Mas, desta vez, o que nos querem impôr é a Nova Ordem Mundial, que mais não é do que a tentativa de se impôr um governo mundial, não eleito, formado por aquilo que os apoiantes chamam de "elite". Não pensem que o vosso nome está escrito nesta lista de "elite". Lá estão o nome do Sr. Obama, por exemplo, que até já escreveu um livro sobre isso e tudo. É a tentativa mais declarada que existe, de determinados auto-proclamados líderes carismáticos, como o nosso primeiro-ministro se acha, de se imporem à democracia. Não se enganem. O povo, a raia miúda fica sem voto em nada, zero. Ficamos à mercê do que mais lhes convier.

Todos estes motivos para histeria: crise económico-financeira, gripes aviárias e suínas, aquecimento global, entre outros, não são mais do que coisas que eles nos querem enfiar na cabeça para nos meter medo. Eles acreditam que se tivermos medo, aceitamos tudo o que eles nos imposerem. E eles têm razão. Mas não há aquecimento global nenhum. Não há nenhuma pandemia. Não há nenhuma crise económico-financeira. São tudo amplificações exageradas e sensasionalistas que servem para nos aterrorizar. Isto é a Teoria de Gestão de Terror posta em prática!

Pessoal, eu sei que é muita informação, mas informem-se. Estamos a ser comidos por patetinhas e não há necessidade para isso. Leiam as notícias, procurem informação e, se tiverem muita preguiça, ao menos leiam aqui algumas coisas verdadeiras que não passam na comunicação social, porque não lhes interessa.

Abram os olhos e não deixem que apertem ainda mais essas amarras que já estão nos vossos braços!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009


Toda a gente sabe, a esta altura, que passei por algo mau. O nome que lhe dão é depressão. Ultimamente, a comunicação social tem falado nisso a propósito da morte do ex-guarda-redes do Benfica, Robert Enke. Mas por muito que se descrevam os sintomas, as sensações e os perigos, isso não basta para se perceber a dimensão que tem uma depressão. Eu, por minha parte, não me vou alargar a descrevê-la também.


Hoje, quero sublinhar que, durante este período negro, o que de me salvou foram os momentos positivos, no meio de toda a escuridão que me envolvia. Esses momentos foram-me proporcionados por muitas pessoas, mas não de forma consistente. O Ricardo, pela força daquilo que me fazia sentir, era como tomar 100 anti-depressivos duma vez só. Enquanto estava com ele, ainda que estivesse a dormir, estava tudo bem. A vida fazia sentido e tinha propósitos.


Fora disso, acho que apenas tu soubeste o que eu passei. Apenas tu me deste motivos para sorrir consistentemente. Todos os dias ouviste o que eu tinha para dizer, fosse a que horas fosse, mesmo que fosse a enésima repetição de tudo o que já tinhas ouvido antes. Não te cansaste um único dia de todos os dramas e histórias podres que tinha para contar. Não te cansaste de me apertar o braço com força e de me segurar com quantas forças tinhas. Não te cansaste mesmo quando eu era apenas um ninho de mofo e pó, a apodrecer quieta na minha própria porcaria. Muitos dias, era apenas isso que eu era.


Lembro-me das noites (altas horas), em que te liguei apenas para não chorar sozinha. E não fazia absolutamente mais nada a não ser chorar. E tu apenas ouvias pacientemente. Sei que morrias de medo que, no meio de todo o desespero em que estava enterrada, eu te largasse a mão e me fosse. E havia dias em que quase, quase foi o que aconteceu. E, ainda que tivesse acontecido, podes ter a certeza mais absoluta que não teria sido por tua falta. Estiveste lá, como mais ninguém.


Sei que estavam todos preocupados comigo, nessas alturas. A maioria interrogava-se mais pelos porquês do que se esforçava por me pegar na mão. Muitos tentavam agarrá-la e era eu quem não queria. Porque, por difícil que seja admití-lo, ninguém poderia entender-me nessa altura. Nem tu próprio me entendias a maior parte do tempo. Mas sabia que contigo não havia julgamentos. Sabia que de ti apenas haveria compreensão, atenção, esforço, carinho. Acima de tudo, soube sempre que de ti apenas teria dedicação. Afinal, é assim que se ama realmente. E, apenas tu, até hoje me provaste que isso não é apenas uma utopia.


Era preciso saber, como tu soubeste, para que eu não fugisse, como fugi de todos menos de ti. E, por isso, te deverei sempre a minha vida. Não consigo imaginar como teria sido, se tu não estivesses lá comigo, para mim, completamente esquecido de ti, das tuas defesas, daquelas que eram as tuas necessidades. Abandonaste-te a ti para me valeres a mim. O buraco onde te afundaste, foi cavado por mim. Foi o mesmo que o meu.


Por isso te disse que desculpas não bastam, nem para começar a remendar o estrago. Aliás, se pensar um pouco nisso, sei que se mexer posso estragar ainda mais. Basta que seja tocado por mim. Ainda assim, sei que nunca me perdoaria, se nada fizesse. Não seria eu, bem sabes. Sabes melhor do que ninguém. Como já te disse, viste por dentro e por fora, em baixo e no alto, tudo o que há de mim para ver. Se agora te pareço uma estranha, sabes que na realidade, ninguém me conhece melhor do que tu.

Agradecer-te, ainda que usasse todas as palavras bonitas que conheço, também não chegaria para que, nem tu nem ninguém, entedesse o quanto te tenho a agradecer. Todos os momentos que vivo desde o momento em que me agarraste são da tua responsabilidade. Ter vivido bem ou mal, ter errado ou acertado, ter sorrido ou chorado, ter-me entregue ou recebido, aconteceu tudo porque tu não desististe de mim, da minha vida.

Quando chegou a hora de tu precisares de mim, eu já estava demasiado longe de tudo isso. Tu jazias no buraco cavado por mim, olhando-me sem nada me exigires. Como de todas as vezes, escolher a saída mais fácil foi um erro. Deixei-te ali, porque olhar para ti, ver-te, ouvir-te era como voltar a descer e entrar de novo nessa treva. A minha cobardia não deixou que a minha força se mostrasse. O meu medo levou a melhor e quem sofreu foste tu. E se alguém havia que não o merecia eras tu.

Espero que os caminhos, o teu e o meu, não se afastem por muito tempo. Espero que se continuem a cruzar. Já errei contigo, já erraste comigo. Mas sei que o contrário é muito maior em quantidade e qualidade e espero que seja suficiente para sarar as feridas que ficaram. Isto não chega, nem de longe, para ajudar a aproximar-nos, a podermos sorrir juntos. Espero que seja um começo, um novo, um melhor. Não há na Língua Portuguesa um nome que abarque aquilo que nos une, aquilo que somos. Se isso não é motivo suficiente para tentar, não sei o que é. Mas isso sou eu...

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Coisas do Ruivo


O homem da minha vida vai fazer anos! Aliás, vai fazer 1 ano! É o primeiro da vida dele! E eu, como madrinha, queria oferecer-lhe uma coisa que ele pudesse guardar e recordar em qualquer ano da vida dele. Gostava de lhe dar algo com significado e à qual ele achasse piada e guardasse carinho para o resto da vida.
Mas não sei o quê? E é aqui que vocês me podem ajudar. Por favor, tenham ideias e partilhem-nas comigo. Please!!!


Obrigada a todos.


Regalem-se com a foto. Está lindo ou não está?

domingo, 15 de novembro de 2009



A vida não corre sempre como esperamos.


Ainda não tive tempo, nem vontade de encarnar de novo a Bianca e enterrá-la de vez. Em resposta ao comentário do post anterior: a Bianca nunca imperou aqui. Neste corpo e nesta vida, quem se faz presente é a whity. Bianca é o nome daquela que apenas se faz presente nos momentos sem interesse e sem vida, momentos entregues apenas a prazeres efémeros e fúteis.


A Princesa está aqui e sente-se como tal. As sombras vão passando aos poucos a fazer parte de um passado remoto. Tudo o que passou parece ter-me trazido a um presente muito mais colorido do que aquilo que eu achava estar-me destinado. Os sorrisos multiplicam-se e quem sou tem mais para dar do que simplesmente memórias más.


Tenho a quem agradecer esta entrada gloriosa do sol na minha vida. Mas a Ele agradeço em sede própria. :)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009


A Bianca ainda não desapareceu, mas foi por boas razões. Eu estive ocupada e, por isso, não pude trazê-la ao de cima e revelar-se. As respostas às vossas questões serão, portanto, publicadas mal seja possível. Já não falta muito...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Adeus da Bianca

A Bianca surgiu pela primeira vez, quando eu (whity) tinha 16 anos, ainda que de forma muito residual. A partir daí foi surgindo sempre que a bebida se misturava com um entusiasmo demasiado grande para ser processado por mim. A Bianca resulta da retirada de todas as inibições possíveis que eu imponho a mim própria e que me torna eu e tem apenas uma coisa em mente: a satisfação da necessidade mais básica e instintiva num ser humano. Por isso mesmo, a Bianca não é muito esquisita na escolha de companhia, nem pensa nas consequências. A Bianca surge de repente e faz questão de se mostrar presente e no controlo. Gosta de provocar situações que para a maioria das pessoas é constrangedoras e não tem papos na língua também. Diz o que eu penso e o que ela pensa, como se fossem a mesma coisa. E não sabe lidar com o que eu sinto, pelo que faz por transparecer qualquer tipo de ódio ou raiva que eu possa ter acumulada, mas de forma desajustada e insensata.


Porque todas as memórias que a Bianca traz são enevoadas, indefinidas. Não são o tipo de memórias que eu queira guardar, nem sequer me orgulho delas. A Bianca já me trouxe problemas antes e não compensou com coisas positivas. Até pode ser que a existência dela seja positiva, no sentido de libertação de fantasias e loucuras que eu sóbria não ouso fazer. Isso não garante que no futuro as consequências possam ser demasiado graves para serem ultrapassadas.


E, por tudo isto, a festa acaba aqui. A Bianca vai retirar-se de vez. E a última vez que existirá será para deixar algo que eu espero ser positivo. Até ao dia 5 de Novembro, deixem as vossas questões como comentário a este post. Eu suponho que ela vá responder a tudo, visto que não tem papas na língua, por isso, perguntem qualquer coisa que vos intrigue, conselhos de engate, o que for. As respostas irão ser publicadas dia 6 de Novembro. Aproveitem agora, porque não terão outra oportunidade.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Eu estou a divertir-me imenso com o que faço, neste momento. Estou a viver o momento, sem pensar muito no dia de amanhã. Cumpro os meus horários, faço as minhas coisas, mas essencialmente divirto-me muito. Estou com as minhas amigas e amigos, rio-me imenso, até danço! Tenho o sorriso aberto até nem sei onde, estou de bem com a minha auto-estima e consigo sentir-me sexy. Tem sido bom ouvir os problemas dos outros, não porque acho que seja bom que os outros tenham problmeas, mas porque não sou eu a falar dos meus. Quem está comigo sabe que estou a gostar do estágio, que estou contente por ter feito a escolha certa na área e que corresponde às minhas expectativas. Quem tem estado comigo, tem-me visto rir das minhas asneiras, porque têm sido inofensivas.


Mas não estou feliz. Não pensem que um sorriso transparece felicidade ou bem-estar. Não estou a lutar por ser quem eu desejava ser. Não estou a sê-lo, nem de perto, nem de longe.

Sei que talvez seja uma fase, que é óptimo para ultrapassar as coisas neste momento e que daqui a uns tempos eu hei-de acalmar e voltarei a ficar serena e hei-de mostrar de novo aquela faceta mais madura que ganhei com isto tudo. A ver vamos...

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Coisas que fazem rir, mas que não têm piada nenhuma

Acho que nunca, na história deste blog, escrevi dois posts no mesmo dia. Mas, no seguimento do post anterior, tenho de colocar uma piada que acabei de dizer a uma amiga e que é, de facto, ainda que exasperadamente ridículo, uma verdade nos dias que correm.

- O que faz uma pessoa pobre para emagrecer?
- Deixa de receber o Subsídio de Reinserção Social.

Triste o Portugal em que nasceu o meu sobrinho.

Coisas de outros



ou

?

Como prometi há uns tempos atrás, vou falar-vos de mais um dos blogs que publicito aqui do lado direito do meu. Desta feita, falar-vos-ei do Caminhante Peregrino. A sua auto-apresentação resume-se a:

"A alma tem mil encruzulhadas, e todos esses caminhos se cruzam na formação de um indivíduo. As ideias de cada um constroem não apenas esse indivíduo, mas também o mundo que o envolve, numa interacção constante Homem-Natureza, impossível de findar...".

Ora, o objectivo deste blog é exactamente difundir ideias. Mas não as ideias comuns do homem que assiste aos acontecimentos como um espectador, como um mero alvo de tudo o que é manipulação de informação. Aqui, a manipulação é feita no sentido inverso.

E se tudo o que vês na televisão, que ouves na rádio, que lês nos jornais, que ouves nas conversas, fosse além disso? E se o cheiro a podre que sentes no ar for mesmo a degradação da inteligência humana, da degeneração do que já foi a liberdade e é agora ilusão de uns pobres aspirantes a mais do que sombras de Platão? E se as teorias da conspiração não forem apenas isso e algumas até fizerem sentido? E se a conspiração existir mesmo e for contra a tua liberdade? Não gostarias de pensar «Ao menos fui avisado», quando sentires as correias a apertarem-te o cérebro e o teu pensamento se começar a perder na mancha suja de todos os pensamentos cinzentos de todos os homens como se fossem um? Não gostarias ao menos de ter sentido, ainda que por momentos, alguma cor distinta dessa massa cinzenta dentro do teu próprio crânio?

É aqui que se acende um rastilho leve de liberdade. Aqui tens uma alternativa ao pensar comum dos homens de quem nunca ninguém se vai lembrar. Aqui tens uma alternativa ao pensamento dos seguidores. Experimenta e quem sabe talvez te libertes. Vale a pena o risco!

Coisas de que nunca ouviste falar. Coisas de que já ouviste falar, mas que nunca te explicaram. Coisas que não percebes e que aqui entendes. Coisas que parecem retiradas de filmes sobre a II Guerra Mundial, directamente do pensamento de Hitler, e que afinal acontecem hoje e aqui. Coisas que devias saber e que escondem de ti. Coisas que não dizem respeito só aos outros, mas a ti também. Aliás, tu és o principal responsável pela tua liberdade. Não a entregues nas mãos de outros. Lê aqui!

Mais vale uma pessoa escandalizada, mas consciente, do que um pateta alegre!


Tenho mesmo de ressalvar algumas frases brilhantes que deviam ser do senso comum, mas que a maioria das pessoas não tem como consciente. Aqui ficam exemplos:

"... quem deve governar as nossas vidas somos nós, e que cada um deve suportar individualmente as consequências das suas escolhas."

"Da liberdade nasce a criatividade, da necessidade nasce a iniciativa, do investimento pessoal nasce a prosperidade."

"O problema é que não conhecemos o passado, apenas a versão que nos contam, e essa é incompleta, pois somos sempre considerados, enquanto estudantes, demasiado limitados para compreender todas as perspectivas de um acontecimento."

"A hipocrisia está em níveis demasiado altos para que o meu sentido de decência tolere que escreva mais... mais... mais... propaganda, vá!"

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Gata Assanhada

Sim, a Gata Assanhada veio para ficar. Tem todo o tipo de coisas para dizer e mistura as coisas que tanto eu como o meu alterego, a Bianca, temos para dizer sobre mulheres, homens e relações entre os humanos. É vergonhoso, sempre escrito com raiva, sedução ou sarcasmo. Por isso, leiam com precaução.
Tenho 24 anos. Eu disse que estes seriam tão divertidos como os meus 20 anos. É incrível como numa questão de anos as pessoas podem passar a ver a realidade de forma tão diferente.

Este ano está a ser, sem dúvida, diferente dos últimos dois. Melhor? Não sei. As pessoas ainda me confundem muito. Erramos muito e sobrevivemos a isso. Os filmes não são retratos da realidade. São ilusões impossíveis daquilo que gostaríamos que fosse. As pessoas portam-se muito bem nos filmes. Na realidade, as pessoas andam sempre confusas. O corpo leva a avante sobre a mente demasiadas vezes e, quanto ao coração, às vezes duvido que até exista. Amamos a família e amamos os amigos. Os outros são instrumentos de prazer maquiavélico. As pessoas gostam mesmo de se pôr em frente ao comboio e ser arrematadas por ele. Sabem que vai doer, mas não conseguem fugir de o fazer. E depois nem dói assim tanto. As pessoas sofrem como doidas por uns dias e depois ultrapassam, dizem que aprenderam com tudo aquilo e voltam exactamente ao mesmo.

Se calhar estou muito céptica hoje. Se calhar é da mini ressaca. Ou talvez eu tenha mesmo razão. E, se tenho, é muito triste. Não só não queria fazer parte deste mundo caótico de insensíveis, como gostaria de não ser uma deles. As pessoas seriam muito mais felizes se se entregassem ao que sentem, se ouvissem exactamente o que as outras pessoas dizem, se ligassem mais aos sentimentos e menos aos instintos...